Chicos about los chicos loja Get in Touch

Sebastián

FOTOGRAFIA + VÍDEO + TEXTO: FÁBIO LAMOUNIER  |  TRADUÇÃO: OLÍMPIO BRUNETTO

22032016

Numa viagem à Argentina em agosto do ano passado, pensei em só aproveitar os passeios, o meu portunhol furado, enfim, os dias que me dei de folga sem pensar no trabalho ou no projeto. Não consegui nenhum dos dois e, já no segundo dia, postei uma mensagem sem muita esperança de (mas torcendo) que algum portenho se disponibilizasse para participar do projeto. Aconteceu, e pela indicação de um moço pra outro, eu conheci o Sebastián. Busquei-o na portaria, e mal subimos já iniciamos uma conversa entre o português-inglês-espanhol até altas horas da madrugada.

✗ En Agosto del año pasado, viajé por Argentina, planeé sólo disfrutar del paseo, con mi portuñol trucho, en fin, aprovechar los días que me tomé para descansar sin prensar en trabajo ni en el proyecto. No pude hacerlo, al segundo día libre posteé un mensaje sin muchas expectativas (pero con esperanza) que algún porteño se animara a participar del proyecto. Sucedió, de boca en boca llegué al contacto de Sebastián. Bajé a abrirle, y ni bien subimos al departamiento la charla se fue dando entre portugués, español e inglés y así siguió hasta el amanecer. 

sebaspost2

sebaspost5

Ele não é portenho, mas chileno, vindo de um povoado bem ao norte do Chile e hoje vive em Buenos Aires. Fomos nos perguntando pela noite, curiosos, a respeito da vida de cada um de lugares tão distantes. As vivências, por outro lado, muito próximas. “Minha relação com a sexualidade em si foi muito precoce; tive conflitos, minha família não é cristã, mas todo o entorno de conhecidos entre católicos e evangélicos diziam que (ser gay) era pecado. Eu pensava ‘como isso é pecado, por que?’. Eu era criança na primeira vez que experimentei e me senti cômodo, então como pode ser pecado? Se eu não era consciente do que é ou não é pecado?”

✗ Él resultó no ser porteño, y sí chileno, oriundo de un pueblo del norte y hoy vive en Buenos Aires. A medida que la noche adentraba, la curiosidad nos llevó a indagar sobre la vida de cada cual, con orígenes tan distantes pero con experiencias, de algún modo cercanas. “Mi relación con la sexualidad fue muy temprana, tuve conflictos, a pesar que mi familia no fuera cristiana, todo mi entorno, las personas que me rodeaban y el imaginario colectivo fruto de una tradición católica, y ‘evangélica’ decía que (ser gay) es un pecado. Yo me cuestionaba cómo podía ser pecado, por qué?. En mi primer experiencia yo era chico, fue agradable entonces, cómo podía ser pecado? Si yo no era consciente de qué es o no el pecado?!”

sebaspost1

sebaspost4

sebaspost6

“Eu tinha 17 anos quando contei à minha mãe. Queria contar pra ela, pois achava que era necessário para nós para termos uma relação melhor. (…) Foi um pouco difícil, mas passou. Hoje em dia minha relação com ela é tranquila, há muita confiança, ela me dá conselhos. Com meu pai é um pouco diferente. Ele não sabia, mas começou a suspeitar até que chegou um rumor até ele – que inclusive era falso. Disseram que eu estava beijando um rapaz, e blábláblá, minha mãe um dia veio me questionar e falei que se fosse verdade não teria porque de não lhe contar. De qualquer forma, se eu estou namorando com alguém, beijando ou segurando a mão, não tem porque existir um problema, pois é uma decisão minha. Mais do que isso, porque deve importar a alguém? Se é minha vida, e não a do outro? Se estou com alguém é porque existe algo ali, porque estou apaixonado, quero estar junto, enfim, é minha decisão. Porque entre duas pessoas heterossexuais que não dou a mínima, que façam o que querem, podem se beijar em qualquer lado? Só porque é mais aceitável segundo a Igreja Católica?”

✗ “Yo tenía 17 años cuando conté a mi madre. Quería contarle porque creía que era necesario para mejorar nuestra relación (…) Fue un poco difícil, pero pasó. Hoy tenemos una buena relación, mucha confianza, hasta me da consejos. Con mi papá es un poco distinto. El no sabia, empiezo a sospecharlo, hasta que le llego un rumor – que encima era falso. Le dijeron que yo me estaba besando con un chico, y blábláblá, mi mama un día vino preguntarme y yo le dije que si fuera verdad no habría por qué no contarle. De cualquier modo, si yo estoy de novio, besándome o dándome la mano, no debería ser un problema porque es mi decisión. Es más, por qué a alguien debería importarle eso?  Si es mi vida y no la vida del otro? Aparte si estoy con alguien es porque hay algo en eso, porque estoy enamorado, quiero tener a esa persona cerca, es mi decisión y punto. A mí me da igual que dos personas heterosexuales hagan lo que quieran, por qué ellos pueden besarse en cualquier lado y yo no? Sólo porque esté mejor visto por la iglesia católica?”

sebaspost3

sebaspost7

“Um dia meu pai me chamou para jantar e me disse ‘Olha Seba, eu aceito sua condição sexual, tenho que compreender, mas a única coisa que lhe peço é que não beije nem dê as mãos aqui no nosso povoado’. Aí eu respondi ‘Mas espera, se você me aceita, porque ao invés de sentir-se preocupado com o que teu companheiro de trabalho lhe fala a respeito de eu beijar ou andar de mãos dadas com um homem, porque você não lhe responde que merda que importa o seu filho? Porque se você é meu pai e igualmente gosta de mim como seu filho, aceita-me tal qual. Se alguém falar mal de você para mim vou responder diretamente por que fala de meu pai? Se é meu pai, que merda importa a outra pessoa?’. Então ele falou ‘você tem razão’. Eu compreendo o lado deles, são mais velhos (e ambos de Escorpião, haha), compreendo o lugar deles. Mas como os disse: o único conflito que há é entre aceitar ou não aceitar.”

✗  Un día mi padre me invitó a cenar y dijo “Mira Seba, yo acepto tu condición sexual, la tengo que comprender, lo único que te pido es que no te beses ni andes de la mano con un chico, al menos en este pueblo. Yo le contesté “Esperá, si tu vas aceptarme, por qué en ves de sentirte preocupado con que tu compañero de trabajo te diga, sobre si me beso o ando de la mano con un hombre, no le contestas ‘qué mierda te importa lo que hace mi hijo’? Porque si tu eres mi padre y realmente me querés como hijo, aceptame tal cual soy. Si alguien hablara mal de ti, yo lo respondería ‘Por qué hablás mal de mi padre? Si es mi padre, que mierda te importa la vida de mi padre? Ahí me contesto ‘tienes razón’. Yo comprendo la visión de ellos, son más grandes (y son los dos de escorpio, jaja), Lo comprendo desde su lugar. Pero como les dije: el único conflicto que existe es aceptar o no aceptar.”

Já não sabendo em qual garrafa de vinho nos encontrávamos, saímos das perguntas do projeto e debruçamo-nos nas vivências do dia-a-dia e concepções de amor e cidade. Sobre amor, ele faz um paralelo entre amizade e o corpo. “Eu penso, falo, escuto, olho, trabalho todas as sensações. Eu ouço meu corpo. É o que tenho aqui, depois da morte não sei como vai ser (…) O amor de casal me parece que há muito disso, envolve algo de espiritualidade, mas também algo extremamente carnal. Um abraço compartilhado, fazer amor, estando pelados ou vestidos, é um tipo de contato diferente. É um tipo de entrega.”

✗ Ya perdida la cuenta de cuántas botellas de vino nos bajamos, salimos de las preguntas del proyecto y profundizamos las vivencias cotidianas y concepciones sobre el amor y la ciudad. Sobre el amor, el hace un paralelo entre la amistad y el cuerpo. “Yo pienso, hablo, escucho, miro, trabajo todas las sensaciones. Yo escucho a mi cuerpo. Es lo que tengo ahora, después de la muerte no sé cómo va a ser (…) En el amor de pareja me parece que existe mucho de eso, involucra algo de espiritualidad, pero también algo extremadamente carnal. Compartir un abrazo, hacer el amor, estar desnudos o vestidos, es un tipo distinto de contacto/ Es una forma de entrega”